Atitudes para tornar a sua cozinha mais sustentável

De alguns anos para cá, o termo “sustentabilidade” passou a fazer parte do vocabulário da maioria das pessoas, mas a prática de atitudes sustentáveis nos rodeia a muito tempo, basta nos lembrarmos de nossas avós, mães e pais, quando nos mandavam apagar a luz ao sair, fechar a torneira enquanto se escova os dentes etc.

Voltando esse termo para a cozinha e alimentação, deve-se buscar o máximo aproveitamento dos alimentos que iremos preparar, para que seja produzido o mínimo de lixo orgânico destinado aos aterros sanitários, pois a política de reciclagem existente nas cidades ainda é insuficiente.

Para tornar a cozinha da sua casa mais sustentável e ecologicamente correta, algumas atitudes podem ser tomadas e formas de consumo devem ser reavaliadas.

  1. Planejar o cardápio: O planejamento de um cardápio semanal, quinzenal ou mensal serve para que se tenha mais controle dos alimentos que serão adquirir em cada ida ao supermercado e/ou feira, evitando assim, comprar mais alimentos do que irá ser consumido.
  2. Cozinhar: Ao preparar a comida em casa haverá um menor consumo de pratos congelados e, como consequência, menor produção de lixo na forma de embalagens. Além do mais, cozer aquilo que irá ser consumido fará com que se ingira menos conservantes, estabilizantes e infinitos “antes” utilizados para que a comida congelada demore mais a estragar ou para que se pareçam mais com o alimento in natura.
  3. Consumir alimentos inteiros: Sempre que possível, deve-se buscar consumir os alimentos com casca, justamente por nela estar armazenada grande parte dos nutrientes que o nosso organismo precisa ao longo do dia. Alguns alimentos que podem e devem ser consumidos com casca são: maçã, pera, abobrinha, batata, berinjela, cenoura, chuchu, caqui etc.
  4. Preparar porções exatas: Procure preparar a quantidade de porções que servirão a quantidade de pessoas que comerão em determinada refeição.
  5. Congele: Caso não tenho conseguido fazer a quantia que iria consumir em determinada refeição, congele o excedente, desde que ele possa ser congelado. Assim, você não jogará comida no lixo e terá uma refeição congelada para aqueles dias corridos ou de preguiça. Exemplos de alimentos que podem ser congelados: panqueca de frango ou carne, grãos cozidos (feijão, lentilha, grão de bico), arroz cozido, lasanha, pão, pastel assado etc.
  6. Pratos rápidos: Receitas com preparo rápido faz que com haja economia de recursos naturais (gás e energia elétrica) como também economizam tempo naqueles dias de correria.
  7. Reutilize: Olhe as embalagens que chegam até você com outros olhos. Grande parte dos recipientes que armazenam os alimentos que adquirimos podem ser reutilizados, como por exemplo, vidros são ótimos para organizar a despensa, armazenando arroz, feijão, grãos em geral, farinhas, temperos secos, entre outros; latas podem servir para organizar itens de escritório ou na cozinha (aqui) ou até mesmo como vaso para a horta (aqui); garrafas plásticas também são ótimas como vaso (aqui) etc. 
  8. Produtos de limpeza: Procure utilizar produtos ecologicamente corretos, como por exemplo, vinagre para desinfetar, sal e água fervente para a limpeza de prata, entre tantos outros.
  9. Utensílios: Procure utilizar mais utensílios de vidro, inox, bambu ou porcelana para preparar e armazenar os alimentos, substituindo assim, o uso de plásticos.
  10. Lavar a louça: Procure utilizar o mínimo possível de detergente para a lavagem da louça, bem como ensaboe o máximo de louça que conseguir para só então enxaguá-las, evitando o desperdício de água na lavagem de cada item ensaboado.

Como você pôde perceber, algumas pequenas mudanças já ajudam a economizar recursos naturais e, em consequência, recursos financeiros também.

Até mais.

 

FacebookGoogle+TwitterPinterestPocketEmailPrintCompartilhe

Leave a Reply